AVALIAÇÕES E DIAGNÓSTICOS

Nós, seres humanos, somos programados fisiologicamente para a perda, estamos em constante envelhecimento e com ele temos diminuição da flexibilidade, perda da massa muscular, queda na taxa metabólica basal, redução da capacidade cardíaca e pulmonar, e facilidade ao acúmulo de gordura corporal, o que pode acarretar no surgimento de diversas doenças.

Para melhorar a nossa SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA devemos amenizar os efeitos do envelhecimento, e o EXERCÍCIO FÍSICO bem elaborado é capaz de exercer essa função.

Porém, antes de iniciar qualquer programa de treinamento é extremamente importante a realização de um conjunto de avaliações que irão determinar as prioridades e metas a serem alcançadas.

Entenda agora um pouco mais sobre essas avaliações e os diagnósticos que elas nos permitem obter:

A partir do conjunto de perguntas aplicado para cada especificidade obtemos o ponto inicial para o diagnóstico clínico/funcional do aluno. De acordo com as respostas obtidas a anamnese é direcionada para os quadros específicos que incluem: diabetes, hipertensão, doença arterial coronariana e obesidade.
Como parte do conjunto de informações investigadas na anamnese, para indivíduos com idade a partir de 40 anos, obesos, ou que possuam diabetes, hipertensão, doença arterial coronariana e artrite reumatoide, a avaliação inclui a análise de diversos fatores que compõem a estratificação do risco cardíaco. Com eles, é possível determinar o nível de risco cardíaco atual do aluno.
Através deste procedimento podemos identificar diferenças consideráveis entre os segmentos, o que caracteriza possíveis desequilíbrios musculares. A partir desta análise, podemos também obter informações clínicas, como a relação cintura/quadril (análise do risco cardiovascular) e circunferência abdominal (fator para o diagnóstico da síndrome metabólica).
Utilizando o método de adipometria determinamos a somatória das dobras cutâneas e classificamos o valor obtido como: desejável para saúde, sobrepeso ou obesidade. Esta avaliação complementa de forma importante o diagnóstico clínico do aluno, nos permite estabelecer metas e acompanhar precisamente os resultados referentes à redução de gordura corporal.
Este procedimento nos permite detectar possíveis desequilíbrios e adequar a melhor postura, possibilitando a reestruturação completa de suas cadeias musculares e seus posicionamentos no movimento e/ou na estática. Promovendo assim a prevenção de muitos males causados inicialmente pela má postura, fruto de ausência de controle e informação.
Com ele medimos a flexibilidade através de valores dados às observações das amplitudes dos movimentos realizados. Este teste nos permite encontrar possíveis déficits na flexibilidade e determinarmos as prioridades de treinamento para melhoria desta capacidade.
Índice de Força Máxima Relativa ao Peso Corporal (IFMR)
APLICABILIDADE:
• Diagnosticar se o seu IFMR está compatível com a sua idade (NÍVEL 1 – VERMELHO, NÍVEL 2 – AZUL, NÍVEL 3 – VERDE)
• Verificar se existem desequilíbrios musculares.
• Saber o quanto podemos e precisamos melhorar.
• Prescrever com precisão a intensidade de seus treinos.
DESCRIÇÃO: A função neuromuscular está diretamente relacionada à saúde e qualidade de vida. O declínio da massa muscular, com consequente redução da força, velocidade e resistência; começa por volta dos 25 anos de idade e continua a ocorrer pelo resto da vida.
Apenas o TREINAMENTO DE FORÇA pode amenizar esse quadro, entretanto para a prescrição de um treinamento eficiente existem algumas variáveis que devem ser consideradas, dentre elas a INTENSIDADE.
Para prescrição desta variável devemos utilizar o percentual de força máxima. Está aí um dos grandes motivos de se realizar esse teste, se eu não souber o seu máximo será impossível prescrever com precisão as intensidades adequadas de seus treinos.
Essa avaliação permitirá ainda diagnosticá-lo, de acordo com a sua idade, em três níveis:
1. VERMELHO = IFMR abaixo do esperado para sua idade (PERIGO = ENVELHECIMENTO FUNCIONAL PRECOCE)
2. AZUL = IFMR normal esperado para sua idade (ALERTA= VOCÊ AINDA PODE MELHORAR)
3. VERDE = IFMR acima do esperado para sua idade (PARABÉNS= VOCÊ ESTÁ FUNCIONALMENTE MAIS JOVEM)
A partir de então, seus treinos serão programados para que atinja o nível verde em todos os grupos musculares e tenha uma idade funcional menor que sua idade cronológica! Isso é fundamental para ter QUALIDADE DE VIDA E SAÚDE!!!
APLICABILIDADE:
• Diagnosticar se o seu VO2 máximo está compatível com a sua idade (RUIM – VERMELHO, NORMAL – AZUL, BOM OU EXCELENTE – VERDE)
• Informar sobre a capacidade máxima de trabalho para que assim os treinos sejam prescritos de forma precisa.
• Saber o quanto é possível e necessário melhorar.
DESCRIÇÃO: VO2 máximo = Consumo máximo de oxigênio ou potência aeróbia máxima. Capacidade individual máxima de captar, transportar e metabolizar o oxigênio para biossíntese de ATP (energia) nos músculos esqueléticos.
Ele é responsável por fornecer parâmetros importantes, contribuindo dessa forma para a prescrição e periodização de programas eficientes de treinamento atingindo os objetivos de cada praticante.
Além de ser essencial para prescrição segura e eficiente do treinamento, avaliar essa variável é importantíssimo para saúde, pois ela permite saber se a capacidade funcional de nosso sistema cardiorrespiratório está compatível com a nossa idade.
Essa avaliação permitirá diagnosticá-lo em três níveis:
1. VERMELHO = Ruim (PERIGO = APTIDÃO CARDIORRESPIRATÓRIA ABAIXO DO ESPERADO PARA SUA IDADE)
2. AZUL = Normal esperado para sua idade (ALERTA= VOCÊ AINDA PODE MELHORAR)
3. VERDE = Bom ou Excelente (PARABÉNS = APTIDÃO CARDIORRESPIRATÓRIA ACIMA DO ESPERADO PARA SUA IDADE)
Posteriormente seus treinos serão programados para que melhore a sua aptidão cardiorrespiratória gradativamente e assim atinja o nível verde. Já pensou em manter o seu corpo funcionando como se tivesse 20 anos para sempre? O envelhecimento funcional é uma questão de opção. Mantenha-se jovem, mantenha-se ativo!!!